Vinhetas – Aumentando a imersão em seu jogo!

“A selva é opressiva e escura, devido à enormes palmeiras que bloqueiam a luz solar e a impede de atingir o chão da floresta. O ar úmido, pesado com o cheiro da vegetação morta, é a razão da  dificuldade para respirar. As manchas densas de
ervas daninhas que atingem quase a sua cintura, mas que se deslocam
com cuidado, permitem que você execute o seu caminho, mas ficam visíveis como manchas nuas no chão da selva. Durante o seu caminho, você ouve um choro de criança que chega através da obstrução espessa de ervas daninhas, o som vem direto de um amontoado de bambus logo a frente. Quando você olha por entre as estacas de bambú, uma imensa serpente com a cabeça nua em ossos está enrolada na criança, que você reconhece como Freya, pronta para devorá-la”

Se você imaginou a cena acima, percebeu a importância das vinhetas. Vinhetas são os textos escritos naqueles quadrados que são lidos para os jogadores quando eles entram em uma sala de dungeon, chegam em uma cidade, ou começam uma nova cena. Acredito que elas tem uma função importantíssima na imersão do jogo, recordo que meu primeiro mestre deixava todos atentos, com medo e com aquele frio na barriga! Ou as vezes com tanto ódio dos monstros que estavam na sala que o combate era mais voraz do que o normal – Exemplo: Vocês reconhecem pela cor da pelagem que esses são os Orcs de Fynnam, aqueles que pilharam e mataram todos da sua vila!

Acredito que nos jogos atuais as vinhetas tenham sido deixadas um pouco de lado, apenas com uma pequena introdução da cena, mas com pouquíssimos detalhes que inclusive, podem ser usados pelos jogadores. Creio que as vinhetas devem ser preparadas antes e realmente lidas para os jogadores, que depois podem pedir mais detalhes, mas já que RPG é um jogo de contar/fazer histórias, nada como uma leitura, que pressupõe, um preparo prévio para a cena. Sempre que tenho mais trabalho em preparar as aventuras, com vinhetas detalhadas e bem pensadas, percebo que a imersão naquela cena específica tem ficado muito maior e logicamente favorece muito o role-play. Vinhetas não, necessariamente, tem que aparecer apenas no começo da cena, ela pode acompanhar a chegada de um novo monstro e o que tenho visto que é muito legal, no final do combate ou role-play, principalmente no caso do role-play dando dicas de como os personagens se saíram.

Minhas dicas para uma boa vinheta:

Elas não devem ser longas, mas também não tão curtas que passem muito pouco da cena que está acontecendo, o tamanho pode variar de acordo com o que espera da cena, se é uma preparação para uma cena que você acha que terá role-play, aumente a vinheta, de os detalhes dos NPC’s, valorize a cena ao máximo.

Comece descrevendo o lugar, é importante que os jogadores entrem no clima do lugar, se é estreito, alto, úmido, seco demais que atrapalha a respiração, o que existe de objetos normais ou estranhos, estalactites, estalagmites, insetos e todos os detalhes que possa ser encontrado e que possa ser significante ou misterioso.

Clima – O clima é fundamental, um vento frio que causa um frio na espinha quando sai de uma tumba, as rajadas de vento que chegam com o exército inimigo, o clima desértico que sufoca e desidrata os heróis o calor escaldante dos nove infernos….

Sentidos – Sempre  que fizer uma vinheta tente estimular os sentidos, esta é a dica mais importante (Pense em abacaxi…agora em limão com sal – sua boca está cheia de água?). Os sentidos são inerentes a situação, eles guardam memórias (como no exemplo do abacaxi acima) isso trará uma realidade e imersão impressionante às suas cenas. Não esqueça de usar todos os sentidos!!! A percepção deles como a visão, sensação do clima e a audição como já citado acima. Dois outros sentidos fundamentais são: o paladar – o cheiro de sangue deixa um gosto de ferrugem na boca, o medo que deixa a boca seca….

E acreditem, o sentido definido para o ser humano como aquele que guarda maior memória é o olfato! (Lembre-se, quando você sonha com alguém, geralmente você não vê o rosto! A nossa memória visual é falha!). Nunca deixe de incluir cheiros característicos em cenas importantes de sua história, seja o fedor de covis de animais, de orcs de goblins, de carniça (cheiro de coisa podre e doce). Muitos monstros já são relacionados com seus cheiros – Por exemplo os Trogloditas que são percebidos a distância, graças ao seu fedor, mas você pode incluir outros tipos como – peixe, para criaturas aquáticas como o Sahuagim, carne podre para Zumbis e é só usar a imaginação….

Valorize suas vinhetas e veja a imersão do seu jogo aumentar na mesma proporção.

E você o que usa em suas vinhetas? Comente!

 

Anúncios
Esse post foi publicado em De mestre para mestre. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s